Sempre existirá Esperança

 Enfrentamos tempos difíceis, principalmente em nosso país, com a pandemia pelo novo coronavírus fora de controle, voltamos a ter mais medo de essa doença tirar nossas vidas ou a vida de quem amamos. E esse risco é real.

Não quero com esse texto espalhar mais insegurança, mas a realidade está aí, e a única coisa que podemos fazer é enfrentá-la. Mas como? Olhamos a todo momento por informações que possam nos salvar, mas aparentemente nada nos dá a completa segurança de que precisamos.

Depois de mais de um ano convivendo com esse vírus e essa doença, parece que temos tão poucas opções de prevenção e tratamento efetivos. Estamos com medo, mas ao mesmo tempo estamos tão cansados de usar máscara, mantermos distância das outras pessoas, não reunir com amigos, não ver os familiares, não ir a festas. Temos que conviver o tempo inteiro com sentimentos que exigem esforço para nos manter em equilíbrio.



Alguém nos fala sobre tomar vitaminas, ivermectina, ozônio, cobre e zinco para evitar a infecção. Será que isso realmente nos protege? Ou podemos pensar que quem morre ou tem doença grave são pessoas mais idosas ou com muitas doenças. ‘Eu não terei doença grave mesmo que me infecte’ você pode pensar, com a intenção de não ter que se preocupar tanto. Ou ‘se eu simplesmente fingir que essa situação não me afeta, posso ter uma vida normal’, é outra opção que por vezes pode te levar a não tomar as precauções recomendadas. Mas a realidade está aí, não há estudos que comprovem os efeitos de proteção pela tomada de determinadas substâncias, muitas pessoas tomam e não se infectam, mas muitas outras também tomam, se infectam, tem doenças graves e por vezes morrem. Mesmo tomando essas substâncias que podem ou não fazer mal, você continuará a ter que tomar as medidas de precaução. Pensar que você não irá desenvolver forma grave da doença não impedirá que você se infecte e transmita para alguém que pode desenvolver a forma grave. Sabemos também que há muito mais pessoas jovens e sem outras doenças que estão graves e morrendo pela COVID-19. Não temos vacinas suficientes no  momento. E mesmo que nos vacinemos individualmente, para conseguirmos ter uma volta da normalidade, precisamos que a maior parte da população esteja vacinada, e isso, infelizmente, ainda irá demorar algum tempo.

O medo é o que nos protege em momentos de desesperança, mas é o pior conselheiro quando se trata de tomarmos decisões importantes. Assim como nas doenças reumáticas graves para as quais não temos cura definitiva, fazer o ‘feijão com arroz’ bem feito é essencial para obtermos sucesso. Privilegie seu sono e mantenha-se ativo, dormir bem e realizar atividade física regular melhoram nosso humor, disposição e fortalece nosso sistema imunológico contra infecções. Evite passar muitas horas na internet ou televisão ouvindo notícias sobre o mesmo tema. Reserve um tempo, nem que seja 30 minutos por dia, para ficar sozinho, fazer uma oração ou meditação. E respire! Essa doença veio para nos mostrar como respirar é importante.  Use a máscara, mantenha distância de outras pessoas, lave as mãos com frequência, não leve a mão ao rosto sem antes lavá-las bem, utilize álcool gel quando não for possível lavar as mãos. Se sentir sintomas gripais ou febre, permaneça em isolamento e procure o serviço de saúde para ter uma avaliação inicial, receber orientações médicas, e se disponível, fazer o teste para confirmação diagnóstica.

Faça o que for possível, faça sua parte e pare de gastar energia no que os outros fazem de errado. O exemplo é extremamente importante. Não temos e nunca teremos o controle de tudo. Fazemos parte de algo bem maior, sempre haverá o mal ao qual combater e a vida pela qual lutar. Podemos até perder algumas batalhas. Podemos chorar algumas perdas, mas nunca devemos nos entregar. Quando tudo parecer perdido, tenha certeza, ainda há pelo que lutar, ainda haverá forças para prosseguir. Sempre haverá alguém que nos ajudará e sempre teremos alguém a quem ajudar.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Fibromialgia, o melhor diagnóstico

A Dor da Dúvida